Mostardas – A Península Selvagem

Se algo marcou nosso ano de 2016 foi a experiência que tivemos em “Mostardas – A Península Selvagem”.

Nosso desafio era num vídeo de poucos minutos, apoiar as iniciativas de desenvolvimento do turismo da cidade, que é sede do Parque Nacional da Lagoa do Peixe. Grande desafio, vamos fatiar.

1 – Mostardas é imensa. Possui uma área de 1.982,992 km² que de um modo geral, inicia no Balneário do Bacupari e se encerra quase 80 Km após, próximo a Tavares.

2 – Cada um desses km² tem alguma beleza, alguma preciosidade escondida que mereceria ser mostrada.

3 – O local é repleto de históricas riquíssimas, aspectos culturais particulares que precisavam ser ressaltados.

4 – Nós faríamos questão de conhecer tudo.

O resultado foi esse:

Gostamos do resultado, mais que isso, gostamos que as pessoas da cidade tenham gostado. No dia que apresentamos, fomos presenteados com muitas lágrimas na platéia. Sabíamos que estávamos diante de pessoas que sabiam que vivem num pedaço lindo desse planeta e que gostariam que mais pessoas, de outros “rincões” também soubessem disso.

Nossa estratégia foi listar o que não podia estar de fora: Farol Cristovão Pereira, Farol da Solidão, Lagoa do Peixe, Balneário Mostardense e combinar com lugares desconhecidos, como o Pontal, Estrada de Oz (batizado assim pela Paula) a pedra de Anita (local onde Anita Garibaldi deu luz a seu primeiro filho). Como é um vídeo institucional tbm precisa mostrar a economia, problema? nenhum, lindo também. As imagens da lavoura de arroz ou dos cavalos nas lagoas estão entre nossos memórias inesquecíveis.

Grupo Anita Garibaldi

A cidade possui um centro histórico que é muito significativo e também fomos presenteados com uma apresentação de dança do Grupo Anita Garibaldi, que de tão legal, acabou permeando o vídeo todo.

Quando começamos o vídeo, tínhamos uma certeza, já conhecíamos Mostardas, quando encerrou outra, estávamos enganados.

Fizemos pelo menos uma dezena de incursões ao interior do município, em cada uma delas fomos apresentados a um lugares que chocavam pela beleza.

A Estrada de OZ

Um capítulo dessa história, é a Estrada de Oz. A conhecemos atrás de uma comunidade Quilombola. Desde então, já voltamos algumas vezes e sempre é muito emocionante. Lugar de difícil acesso, (somente de 4×4 ou pé), é uma estrada que “liga o nada, a lugar nenhum”, um lugar de sonho.

Encerrado este vídeo já tivemos oportunidade de retornar a nossa querida Península Selvagem. Lá nos sentimos em casa.

 

Comments

comments

André

Publicitário, dedicou-se a produção audiovisual. Cinegrafista, editor e fotógrafo, encontrou no timelapse sua arte.
Vive o paradoxo de ser aficionado por tecnologia e lugares isolados.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: